22 setembro 2009

Throwing Muses - Fish

Num momento de acalmia neste mar - que, vejo agora, acaba de sofrer alguma agitação -, aproveito para partilhar um vídeo que veio parar à minha frente. Apenas conheço a música como fazendo parte de uma compilação da 4AD lançada em 1987.

Um ano após o estrondo do primeiro LP, ofereciam este delicioso diálogo de guitarras a Lonely Is an Eyesore, a tal colectânea de 87.

Começava a história de uma banda americana que inevitavelmente iria conquistar todos os que se atrevessem a dar-lhe atenção.

Throwing Muses conheci uns anos depois, por altural de Hunkpapa. Mas era o álbum sem título (ou Throwing Muses se se preferir) de 1986 e esta "Fish" que mais gastavam a fita da cassete.

Mais tarde, Tanya Donelly e Kristin Hersh - as mentoras do projecto - separavam-se. A primeira sairia e formaria as Breeders e as Belly; a segunda manteria as Throwing Muses com metede do génio e começaria uma esplendorosa carreira a solo.

Este post serve para lembrar uma banda que não se pode esquecer e assinalar a minha rendição ao, afinal apreciável, peixe frito.

3 comentários:

Nuno disse...

E não é que me esqueci de pôr os "carapaus com barbas" na mesa!
Olha, foram um festim a ver e rever los abrazos rotos.
E a "A feeling" destas cachopas?
Jísas.

Joao disse...

Ainda havia mais peixe?! O plano era mais grandioso do que eu imaginei. Mas pronto, não foi preciso tanto. As sardinhas foram o bastante para mudar de opinião.

Há muitas, inclusive "A Feeling", mas não escolhi. Como disse: a música foi-me lembrada quase à força, através deste video.

De qualquer forma, o título era adequado, a música excelente, porque não mostrar?

Quanto ao filme, mais um que não queria perder, mas pelo andar da carruagem, com o atraso que já levo...

Nuno disse...

Não: eram daqueles carapaus alaranjados, vulgo camarões.
E numa noite com Lambchop, Shriekback, Smog, Michael Nyman, Virgin Prunes, Death in June, Miracle Legion, Alien Sex Fiend, Horseflies, The Man They Couldn't Hang, Micah P. Hinson, entre outros, escaparam, os sacanas.