10 janeiro 2010

Até as sociedades mais primitivas admitem os seus loucos 20100110



01 – Ry Cooder – Paris Texas OST – “Paris, Texas” – 1989
02 – The Feelies – Only Life – “Higher Ground” – 1988
03 – Au Pairs – Sense And Sensuality – Don’t Lie Back – 1982
04 – Kitchens Of Distinction – Love Is Hell – “Prize” – 1989
05 – Clan Of Xymox – “Equal Ways” – 1985
06 – Laurie Anderson – Mister Heartbreak – “Sharkey’s Day” – 1984
07 – Virgin Prunes - .. If I Die, I Die – “Ulakanakulot” – 1982
08 - Virgin Prunes - .. If I Die, I Die – “Decline And Fall” – 1982
09 – A.R. Kane – 69 – “Crazy Blue” - 1988
10 – The Band Of Holy Joy – More Tales From The City – “Don’t Stick Knives On Babbies’ Heads” – 1987
11 – Bauhaus – “Ziggy Stardust”
12 - The Go-Betweens - Spring Hill Fair – “Bachelor Kisses” – 1984
13 – David Sylvian – Gone To Earth – “Before The Bullfight” – 1986
14 – The Cure – Pornography – “A Strange Day”- 1982
15 – Nick Cave & The Bad Seeds – Your Funeral My Trial – “Sad Waters” – 1986
16 – Marc Seberg – 83 – “Jours Après Jours” – 1983
17 – Dead Can Dance - Garden Of The Arcane Delights – “Carnival Of Light” - 1985
18 – Anne Pigalle – Everything Could Be So Perfect - “Hé! Stranger” – 1985
19 – Death In June – The World That Summer – “Break The Black Ice” – 1986
20 – Killing Joke – Nightime – “Love Like Blood” – 1984
21 – Propaganda – A Secret Wish – “Dream Within A Dream” – 1985
22 – Xmal Deutschland – “Incubus Succubus” – 1982
23 – Cowboy Junkies – The Trinity Session – “Misguided Angel” – 1988
24 – Cocteau Twins – Head Over Hills – “Sugar Hiccup” – 1983
25 – American Music Club – The Restless Stranger - “How Low” – 1985
26 – James – Stutter – “Johnny Yen” – 1986
27 – Throwing Muses – The Fat Skier EP - “A Feeling” – 1988
28 – Golden Palominos – Visions Of Excess – Boy (Go) – 1985
29 – The Durutti Column – Lc – “Jaqueline” – 1980

Contrariando, pelo menos de modo aparente, a criação de alinhamentos, subjugados pelo espartilho do formalismo temático, uma sequência em que a década de 80 se torna ditatorial.

O que estes temas representam e a forma como puderam agrupar-se faz parte daquele lote muito pequeno de momentos que preservamos.

Todas estas canções apresentam uma durabilidade espantosa: talvez por as ter, a todas, enleadas na pele, de um modo em que não sei onde começam umas e termina a outra.

Tiveram vários percursos até chegarem a mim e mais variados foram a partir desse encontro, com sentidos distintos, todavia encarreirados pelos vasos sanguíneos para voltas em ciclos fechados, abertos a cada passagem da memória.

Desde descobertas em vários programas de RÁDIO - ou quando o tamanho das letras se torna pequeno para a referir: como ela foi – capturadas para K7 que se desdobravam por “decks” duplos para filtar as vozes soberbas que as traziam, indicativos que as lançavam ou palvaras de ordem para escutas despertadas.

Seguidamente houve hipóteses de as ter a rodar em gira-discos que lhes expunham todos os instrumentos, de as gravar de fonte mais limpa e ter de ceder ao CD porque por mais cuidados existentes, os sulcos no vinil tornavam-se maiores que eles próprios.
Agora graças a um local extraordinário, consegui que alguma delas ficassem neste formato a que agora podem aceder e já sabem onde as ir buscar, se assim for a pretensão.

São canções que possuem vida própria, mas não consigo imaginar a minha sem elas e gosto de ver a sua dimensão florescer quando contactadas pelas que lhes são anteriores e praticamente gerarem as seguintes.

Consegui ouvi-las, re-identificar os detalhes, descobrir outros ainda.
São imensas por isso mesmo: poderão ter bebido influência onde muito bem entenderam e é incrível como influenciam nos fantástiscos dias de hoje, onde o talento as funde de forma única, na era em que tanto está ao alcance.

Para que as escutem.

9 comentários:

pli disse...

parafraseando os C93, que me parece apropriado à época: Christus!

estas tuas viagens são muito boas, muito boas. não só pelas músicas que contêm mas pela forma como se entra nelas, se segue nelas até se desaguar não se sabe bem onde, nem interessa.
por isso, acho que devias introduzir uma variante, que era colocares um upload zipado no fim, para depois se poder gravar um cd. porque elas merecem ser ouvidas fora daqui, do principio ao fim, como um todo.
ainda criavas uma rede alternativa "mítica" das soc primitivas: fóruns de discussão acesos sobre qual a melhor edição de sempre, venda de raridades na candonga, dissertações doutorais ácerca das tuas escolhas, influências e percursos, sei lá, quem sabe se até a capa da rolling stone e da uncut se sobreviverem, uma top story na p4k ;)
think about it

Nuno disse...

a pensar, sim senhor.
e humurado o comentário: obrigado.

AR disse...

desculpa lá mas humorado é com O.

:)

Nuno disse...

eia fóque!
onde está o segundo U não é?
Obrigado.
:)

77a7 disse...

Nuno ,gosto da lista porque me atira « down memory lane » ...

Nuno disse...

Obrigado pela leitura, cometário e visita.

Anónimo disse...

é !
- Nuno hoje não vai dar para degladiar-me com o teu 'agradecimento' ; mas julgo que ainda falaremos sobre música e as outras demais densidades .

- ( e gosto deste «espaço» desde já te digo )
rv

Nuno disse...

boas escutas.

Anónimo disse...

rv - ( paulo.788@gmail.com)
qdo quiseres « e se » ...ok
porque há dias em o mundo se torna pequeno .Mas conheces a sensação certamente.