24 junho 2010

até as sociedades mais primitivas admitem os seus loucos 20100624

então porquê?
por onde voas?

agora estou a rebentar; inquieto: a lacuna na detecção de palavras torna-se uma letra de uma canção cantada dentro de um muro feito por mãos de lágrimas.

onde posso ir ter contigo?

há fogo fátuo por aí que me deixa apreensivo, menina do assombro e dos teatros do tempo.

a indolência extrema que impede o regresso, não é de exílios de flores ocultas que se move.

sabes que estou por a(qu)i: ao salto opõe o voo; ao fumo atravessado gela-o com o fogo alado: à tristeza desenha-lhe a teoria do sol que cabe na tua mão dormente que impele o alvoroço do teu corpo sem resguardo - amacia a espada, da maldição mágica da serpente marinha que traga o som que te acalenta.

não queiras ESTAR quando SER é o elemento base da composição que não obstas soar nas cores do amor louco.



01 pieter nooten : several times
02 trespassers william : untitled
03 xx : night time
04 local natives : stranger things
05 gun club : sex beat
06 !!! : the hammer
07 st vincent : actor out of work
08 wild beasts : this is our lot
09 lcd soundsystem : home
10 empire of the sun : we are the people
11 spoon : the mystery zone
12 the drums : it will all end in tears
13 the decemberists : yankee bayonet ( i will be home then )
14 zola jesus : night
15 wild nothing : chinatown
16 mark bolan and t rex : 20th century boy
17 the big pink : at war with the sun
18 spaceman 3 : how does it feel

MP3

Sem comentários: