13 maio 2011

até as sociedades mais primitivas admitem os seus loucos 20110513





PARA GUARDAR EM MP3

01 Mogwai - Waltz For Aidan
02 Seabear - Cold Summer
03 Swell - Blackmilk
04 Madrugada - A Dead End Mind
05 Joanna Newsom - Go Long
06 Joy Division - Transmission
07 Beach House - RealLove
08 Efterklang - Mirror Mirror
09 Shearwater - Black Eyes
10 Get Well Soon - Aureate
11 Tom Waits - Goin Out West
12 LaliPuna - Everything Is Always
13 She And Him - Thieves
14 White Hinterland - Hung On A Thin Thread
15 Nick Cave - Loom Of The Land
16 Sparklehorse And PJ Harvey - Eyepennies
17 BRMC - Awake
18 Bill Callahan - Say Valley Maker

"Há cidades cor de pérola onde as mulheres
existem velozmente. Onde
às vezes param, e são morosas
por dentro. Há cidades absolutas,
trabalhadas interiormente pelo pensamento
das mulheres.
Lugares límpidos e depois nocturnos,
vistos ao alto como um fogo antigo,
ou como um fogo juvenil.
Vistos fixamente abaixados nas águas
celestes.
Há lugares de um esplendor virgem,
com mulheres puras cujas mãos
estremecem. Mulheres que imaginam
num supremo silêncio, elevando-se
sobre as pancadas da minha arte interior.

Há cidades esquecidas pelas semanas fora.
Emoções onde vivo sem orelhas
nem dedos. Onde consumo
uma amizade bárbara. Um amor
levitante. Zona
que se refere aos meus dons desconhecidos.
Há fervorosas e leves cidades sob os arcos
pensadores. Para que algumas mulheres
sejam cândidas. Para que alguém
bata em mim no alto da noite e me diga
o terror de semanas desaparecidas.
Eu durmo no ar dessas cidades femininas
cujos espinhos e sangues me inspiram
o fundo da vida.
Nelas queimo o mês que me pertence.
a minha loucura, escada
sobre escada.

MuIheres que eu amo com um desespero .
fulminante, a quem beijo os pés
supostos entre pensamento e movimento.
Cujo nome belo e sufocante digo com terror,
com alegria. Em que toco levemente
Imente a boca brutal.
Há mulheres que colocam cidades doces
e formidáveis no espaço, dentro
de ténues pérolas.
Que racham a luz de alto a baixo
e criam uma insondável ilusão.

Dentro de minha idade, desde
a treva, de crime em crime - espero
a felicidade de loucas delicadas
mulheres.
Uma cidade voltada para dentro
do génio, aberta como uma boca
em cima do som.
Com estrelas secas.
Parada.

Subo as mulheres aos degraus.
Seus pedregulhos perante Deus.
É a vida futura tocando o sangue
de um amargo delírio.
Olho de cima a beleza genial
de sua cabeça
ardente: - E as altas cidades desenvolvem-se
no meu pensamento quente."

herberto helder

4 comentários:

gingerandclove disse...

lindo

Nuno disse...

(obrigado)
(enjoy)

Anónimo disse...

Tenho inveja dessa loucura!

Nuno disse...

há que conduzir a inquietação à uma forma de expressão que a torne leve e bonita: só assim faz sentido: até invejá-la. :)