17 maio 2011

até as sociedades mais primitivas admitem os seus loucos 20110517



( )

PARA GUARDAR EM MP3



01 Bernardo Sassetti - Passagens Pela Cidade - Parte II
02 Madrugada - Sister
03 Sétima Legião - Tão Só
04 Crystal Stilts - Shake the Shackles
05 Moon Duo - Stumbling 22nd St.
06 Jeffrey Lee Pierce - Love and Desperation
07 The Au Pairs - Come Again
08 Alan Vega - Jukebox Babe
09 The Gun Club - Sex Beat [Live]
10 Sonic Youth - Kool Thing
11 Willard Grant Conspiracy - Soft Hand
12 Smog - I Break Horses

"o brilho inapagável de um gesto suspenso
e depois a bruma no lugar do rosto que lá não está
não saberemos nunca como repetir tal brilho

nem como pedir-te essa metamorfose do terceiro corpo
que voa oblíquo no sobressalto destes dois nossos
e incandesce no passado que toda a morte não promete.

tens uns joelhos assim.
não há luz que chegue para nos dizer o que nos pode fazer
um mar atravessado nos ombros e caindo como a noite

dessa cabeça nocturna, em chamas.

ela levantou o joelho direito por entre as tuas coxas
escreveu-te a boca com o húmido sal da manhã
como se fosse uma deusa inesperada e furiosa

e cercou-te com a noite da última parede do labirinto.
Tu tinhas a dor erguida e os olhos choravam.
Chovia por entre as rochas e explodia-te nos rins

a cegueira que a olhava: dura e trémula.
Se fosses morrer logo a seguir a neve
não cairia dessa forma sobre a praia e o mundo.

mas tu morrias agora, ó amante no escuro do dia então.

estás diante do espelho e não tens nome
- é o espelho que to rouba? -

por isso podes olhar a pequena névoa da morte,
que faz um halo em redor da tua cara.
onde tens um vinco a direito, dividindo o quê?

Depois, a névoa cresce como o nevoeiro sobre um lago antigo
Sentes vagamente o arruído da água nesse espelho indeciso
e moroso como de um filme onde falam baixo.

O sopro sobrevivente faz crescer a névoa.
Escreves nela com um dedo o outro nome.
Então retiras-te longa e repetidamente como a maré

de um mar em branco

[ ... ]

tu apareces, chegas no limiar do mundo
acesa : mínima e múltipla : na sombra da música.

Que acontece agora às coisas da tarde quente
no pátio desta terra? Como
deflagra o sol sobre a multidão do santo nome
das coisas do mundo?

Uma corda azul e amarela : um hieróglifo suspenso
na parede do labirinto;
uma roseira sem a ausente, clara e perpétua;
uma palmeira como o A do nascimento

no solstício de inverno e na cantata.

Verdadeiramente o teu chamamento meu amor nu, me.
A música torna-se minuciosa e delicada, delirante
sobre os ossos que rodeiam o teu ventre rigoroso e evidente
na claridade que esta sombra esta música protege e expande."

manuel gusmão

4 comentários:

gingerandclove disse...

( )

Nuno disse...

( )

Anónimo disse...

Para não variar: selecção musical de topo com palavras que nos afogam em sentimento.

Fechas a playlist com uma música tremenda...

( )

C.

Nuno disse...

obrigado pela recorrência de visitas, leituras e escutas.

i break horses é uma das canções de um vida. a playlist é para quem me moveu a fazê-la ( M )

( )

N