25 abril 2012

"Caminharás até que os passos fiquem mudos, perante a iminência da suprema afeição a que renuncio."

as ruas revestiam-se de estrelas a estourar e devolviam a simplicidade aos gestos quando as mãos se intersectavam, no paralelismo dos meus passos que chamavam os teus para mais perto.

olhavas-me e soava a canção da distância num rádio onde nada havia a mudar, o aroma do café fazia adivinhar o calor que se tocaria na porcelana onde desenhaste o sorriso do ultimo barco que te trouxe e dividíamos agora o cuidado para que não caísse.

Sentia-te mais próxima e atiraste-me o rosto para que te encontrasse os lábios. as luzes apagavam-se e aproximavam-te como a lua afaga as marés para as modificar: o alvoroço era um sonho realizado com olhos abertos quando os pés alargavam o chão para que desaparecesse ao abraçar-te.

não os escutei quando fugiram. não os vi porque me chamaram quando o vento soprou alto e decidi que a verdade de um mundo atravessado de azul me levasse onde as constelações vivem dias diferentes.

Pale Saints - A Thousand Stars Burst Open

Sem comentários: